quarta-feira, 25 de abril de 2018

Declarações


Talvez sejamos tipo o mar e a praia
A gente some da vida um do outro
e de repente se beija como uma onda que quebra
e aí some de novo
e repete
talvez seja o jeito que nossas almas falem uma com a outra
acho que nem tudo na vida é igual
Né?
Nem sei se a gente explica essas coisas que sente
As coisas que vive
Não sei se existe só um jeito de gostar, de conformar o que sente
mas eu gosto de você
E tenho um imenso apreço pela sua pessoa
e quero seu bem e sua saúde
e quero a dança das nossas almas que se beijam como a onda que quebra na praia
e o mar leva um pouco da areia da praia e a areia fica com um pouco da água do mar
é isso
gosto de você sim. 

__

Recebido em: 23/04 - R.R.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Nao cri...

Quando você precisa ficar mentalizando pra si mesma que "não é pra criar expectativas", esqueça!
Você já tem milhares dela em curso...

sábado, 14 de abril de 2018

Da série: sofrimentos silenciosos

Eu sempre sofri mais por amizades do que por términos de namoros, brigas com familiares ou coisas desse gênero...

E nos últimos tempos, tem doído demais essa distância.
Me custa perceber que as coisas não são mais como já foram. E dói ver que as pessoas não fazem a mesma questão que faço delas.

Detesto me ver sozinha, sem ter com quem compartilhar as pequenas coisas do dia a dia.
Percebo que esse sentimento vai se tornando maior, mais denso.
Me sinto sozinha. Como se estivesse incomodando as pessoas quando vou convidá-las pra sair pela enésima vez, e recebo o enésimo não.
Mandar mensagens perguntando como estão e receber respostas vazias, sem emoções, muito menos empatia.

Não sei ao certo o que fazer. Como fazer. Mas percebo que estou assim...

Existem outras amizades. Claro que sim. Mas elas não são como aquelas.

Talvez seja esse meu problema. Ser apegada demais ao que era. E não perceber o que se tem.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Em época de relações líquidas, a máxima sempre é válida: não seja um cuzão.

Querer só sexo não é um problema.
O problema é ser duas caras.
Poupe- nos da sua idiotice.

sábado, 3 de março de 2018

Veio a galope

Querer ser amiga da pessoa que quebrou seu coração
É tão seguro
Quanto saltar de paraquedas sem paraquedas.

=> Anotou?
Porque veio bem a calhar. Na hora certa. E você sabe o porquê.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

É isso

Eu me detesto. E a culpa é sua.
Me detesto por não conseguir te esquecer.

Tento fugir de mim mesma, ignorar o que sinto, sobrepujar o que quero. Pra fingir estar bem.

Me relaciono com outros rapazes. Busco outros sorrisos. Me envolvo com outras realidades
Mas sempre é você que trago na memória.

Me detesto por não conseguir te apagar de mim.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Furacão

- sabe o que eu quero? Que você me deixe em paz.
- eu nem falo com você...
- mas é dentro de mim que você não silencia.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Seguindo em frente

2017
Que ano intenso, eufórico e Forte. Muito forte.
Não que exista algum ano fácil, inclusive, acredito que meu último ano relativamente fácil foi em 1998, ou 2001. Os demais foram todos superando as expectativas
Mas voltando ao agora.
Se eu pudesse definir esse ano, seria como resiliente. Fui capaz de transformar vários sentimentos dentro de mim em coisas melhores e maiores.
Eu costumo ser bem orgulhosa de mim nesse sentido, pq me esforço muito para ser sempre melhor, e dar meu melhor. E sinto que nesse ano, novamente, me superei.
Não fiz nenhum feito inédito. Mas sinto que foi um ano incrível para mim.
Fiz amizades, ganhei amores, me descobri em uma profissão, aprendi a me aceitar melhor, fiz terapia o ano todo, aprendi a dançar, tive desilusões que me tornaram mais forte, tive parcimônia pra não brigar por qualquer coisa, tive fé, viajei, fui extremamente feliz e busquei ver a felicidade o tempo todo.
Foi um ano bom. E sou grata por ele. Me sinto feliz por ter dado conta e ter superado cada vez mais essas barreiras. Me orgulho da mulher que me torno, das atitudes que decido ter, dos caminhos que sigo, das pessoas que escolho pra minha vida.
2018 será ainda mais forte e desafiador, e me sinto preparada para ele.
Que venha o novo.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Admirador

Quase meia noite Olho pela janela, distante As luzes cintilantes Sem sossego, irrequietas Como meu pensamento Como minhas pernas Sempre em movimento Furtiva seja a filosofia Agarro-me a poesia Há quantas de você la fora? Só há um exemplar aqui dentro A qual eu conheci outrora Ainda há outro advento? É uma piada dos deuses? Quanto vale tal graça? Dos deuses e a sua O tempo logo passa E a minha busca continua Há quantas de você la fora? Buraco de minhoca Deve haver um caminho E universos paralelos a esses Não estamos sozinhos Realidade paralela Há outra de você la fora E deve ser tão bela

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Terminei Indo...

Eu já sei caminhar em tantas nuvens
E posso visitar de vez em quando o chão
Do alto do parque, por cima das árvores eu vejo você

Antes de bater o vento eu já pensava em voar
Antes do sol clarear eu desapareci
Por cima dos prédios, estrelas vermelhas não brilham no céu
Eu sou das ruas de qualquer lugar
Existo sempre que você pensar em nós
Não tenho tempo pra guardar recordações
Mas o tanto que eu levar de você
Eu deixo um pouco pra me misturar
E não descanso pra você dormir

- A Banda Mais Bonita da Cidade -  

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

"Afinal, a minha presença no mundo não é a de quem a ele se adapta.
Mas a de quem nele se insere.
É a posição de quem luta para não ser apenas objeto, mas sujeito também da história."


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Blue.

Tive a certeza que te queria.

Só no olhar, no fulgor, no tremer das pernas.
Vendo seu nariz reto, seu sorriso, e aquele teu jeito que tanto me encanta.
Acho que foi isso que você fez comigo: encantamento.

Não há explicação para o razoável, se não essa.
Eu desejava você, com todos os teus trejeitos.
E você ali, perdido na imensidão da cachoeira, fingindo ser blasé, alheio à minha pessoa.
Como se fosse natural estar no mesmo lugar, sem querer estar.
Eu não mais estava ali.

Meu coração palpitava, a respiração quase parava, de tão rápida que pulsava.
Senti-me nos saudosos 15 anos.
E você sabia que tinha controle de toda aquela situação.

Do alto do seu sadismo e todo o poder que eu tinha te dado sobre mim
Você ria.
E estava além da minha pessoa. Eu não existia para você.
Será que um dia existi?

Não sei mensurar em que ponto da minha vida perdi o domínio sobre mim. Ou em que determinado suspiro deixei você tomar conta do que era meu.
Só sei que me vejo sem chão quando você toca meu ar.
E passa o tempo, a mensagem sem resposta, já sendo uma resposta para minha mensagem...
E eu sigo na aflição, que hoje já dá lugar à tristeza.

Logo menos vai virar apenas história... e eu espero que não demore.
Desejo também que o desejo por ti seja cada vez menor, e dê espaço para o ranço que você merece.
Não quero a raiva. Quero o desprezo pela tua babaquice e toda falta de respeito que permiti comigo.

Você me tem, é verdade.
Mas aos poucos, vou me recuperando de ti.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

'Matei-a porque era minha'.
Como se fosse realmente parte de seu direito de propriedade o de aniquilar a mulher que a sorte (vida) lhe deu.
Nenhum macho ou supermacho que seja, nem o mais valente de todos, se anima em dizer que a verdade não é essa.
Nada a ver com 'matei-a porque era minha'. Na verdade, deveria confessar: 'matei-a por medo'.
Porque a violência do homem é o espelho do medo do homem de uma mulher sem medo.

Eduardo Galeano